quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Protesto politico.

Em meados do século passado, como protesto contra o baixo nível dos candidatos a vereador, os eleitores paulistanos votaram maciçamente em Cacareco; acontece que Cacareco não podia ser eleito, ele era um rinoceronte do Zoológico da cidade mas, mesmo assim,  recebeu cerca de 100 mil votos, o bastante para eleger dez candidatos.

Naquele tempo, as eleições eram realizadas com cédulas de papel na qual os eleitores escreviam o nome do candidato de sua escolha; hoje, com as urnas eletrônicas, isso não é mais possível, mas é possível algo muito pior.

Cacareco ganhou, mas não levou, o protesto cumpriu sua função e ficou nisso; hoje os votos de protesto em 'cacarecos' representam um 'tiro no pé' não só de quem neles vota, mas de todo brasileiro, pois os 'cacarecos' eleitos assumem as cadeiras com suas prerrogativas e com seus vencimentos, já as obrigações!

Quando  o filósofo francês Joseph De Maistre escreveu "cada povo tem o governo que merece", ele teve a intenção de criticar, não o governo, mas aqueles que tendo o direito de escolher não o faziam direito e, portanto, mereceriam os desmandos dos eleitos; mas no Brasil votar não é um direito, é uma obrigação, e aqueles que votam por desejarem e conscientemente não têm o governo que merecem, mas sim o que lhes é imposto por uma maioria, não esclarecida politicamente, obrigada a votar.

Não me espanta que pessoas com pouco conhecimento politico votem em 'cacarecos’, acho que é até de se esperar; espanta-me que pessoas com conhecimento permitam que 'cacarecos' sejam candidatos, o que me faz imaginar o que existe por trás de tal permissão; intencionalidade, descaso ou insanidade? Seja lá o que for não é boa coisa!

Mas, "Mea culpa”... Estou 'pago para ficar calado'... Igual a muitos dos ‘conscientes’ sou muito ocupado, não sou filiado a nenhum partido, não participo de nada que tenha conotação política, entrego a outros a aprovação das candidaturas de 'cacarecos'; portanto volta a valer o dito de De Maistre... Também eu, igual a muitos, tenho o governo que mereço, mesmo que indiretamente.