25/04/2010

O perigo de uma única historia.

chimamanda-adichie

Chimamanda Adichie.

Escritora nigeriana.

Vejam seu discurso:

O perigo de uma única história.

Vale a pena.

24/04/2010

Medicina/Sacerdócio/Ganância. - 2

Caduceu

Quando, algumas semanas atrás, escrevi a primeira parte desta postagem, a interrompi com o comentário ‘A mim parece óbvio’, mas ao tentar concluir o assunto a obviedade desapareceu; são tantos os fatores que interferem e contribuem para a escolha das condutas a assumir e do caminho a seguir na vida que seria necessário um livro para abordar todos eles e me restringirei a alguns comentários.

São evidentes as diferenças entre indivíduos previdentes e indivíduos gananciosos, não é necessário discorrer sobre isso, nossa pauta é o comportamento ganancioso.

Karen Horney, psicanalista alemã, defende a ideia de que a busca de poder, prestígio e posses, assim como a busca de afeição, seria uma maneira de se conseguir tranquilidade interior, e não teria que ser necessariamente um desejo neurótico; no homem normal esse desejo nasceria da consciência das próprias capacidades e no neurótico de sentimentos de inferioridade e insegurança. Particularmente creio que o desejo não neurótico de riquezas,  proveniente de capacidades reais, produziria benefícios compartilhados com outros indivíduos e acúmulo equilibrado de poder e posses, ao contrário daquele proveniente da insegurança que provocaria acúmulo exagerado e não compartilhado, na vã tentativa de neutralizar a insegurança.

Considerado, desde antes do surgimento do cristianismo, como um dos sete pecados capitais, a ganância faz parte das características humanas que toda filosofia, religiosa ou não, prega ser necessário refrear; mas convenhamos, não existe muito estímulo para esse refreamento em uma sociedade na qual possuir cada vez mais coisas e prerrogativas  é o mais importante  e é considerado bobo quem não pensa assim.

Reconheço que o capitalismo é produtor de conforto e facilidades, mas é evidente que o acumulo excessivo por uns provoca falta para outros; e interessa referir que jamais encontrei alguém que defendesse abertamente a ganância, apenas questionam sua contrapartida, a generosidade, acenando com a possibilidade de carência futura ou argumentam que é tudo uma questão de capacidades individuais; existem até ditos populares sobre o assunto:

“Quem não tem capacidade que não se estabeleça.”

“Quem poupa o que tem não mendiga o  de ninguém.”

“O sol nasceu para todos, a sombra para os espertos.”

De acordo com alguns autores este comportamento ganancioso estaria baseado em uma necessidade infantil de posses por não haver, a criança, aprendido a renunciar, adaptando-se à realidade de não ser necessário nem possível possuir tudo que se deseja.

Portanto coexistirão, sabe-se lá até quando, ‘inteligentes’ gananciosos e ‘bobos’ éticos independentemente das profissões e das causas... Infelizmente!

Para concluir vale a pena citar Tomás Pablo Paschero, um dos mestres da Homeopatia, que fala na ‘transformação do egoísmo infantil em altruísmo adulto’ durante o processo de cura real do homem e, textualmente, Teilhard de Chardin, filosofo evolucionista:

“O homem se ‘humaniza’ graças ao esforço que ele realiza sobre si mesmo.”

Um vídeo pertinente: Entrevista com Robert Happé.

03/04/2010

Consultório

Rua Felisberto Carrejo 228, Fundinho, Uberlândia/MG.

Tel. 34 3234 3243.

Como chegar.

Homeopatia Direito de Todos / Campanha.

logoAÇÃO PELO SEMELHANTE é uma Organização Social Civil de Interesse Público; fundada no Rio de Janeiro em 1999 por um grupo de médicos homeopatas; que tem por missão divulgar e consolidar a homeopatia como uma alternativa para as políticas públicas de saúde.

Realiza uma campanha nesse sentido  coletando assinaturas de apoio à Portaria 971 de 03 de maio de 2006 do Ministério da Saúde e solicita ao Ilmo. Sr. Ministro da Saúde, que a regulamente, indicando as regras que possibilitarão a implantação e implementação das Práticas Integrativas e Complementares de Saúde, com a efetiva indicação e especificação das fontes de recurso, os prazos e os mecanismos de verificação que permitam monitorar e efetivar a sua consecução junto ao SUS, garantindo à população o acesso a este direito.

Apóie. Esta causa é de todos. Abaixo Assinado Eletrônico Homeopatia Direito de Todos

01/04/2010

Homeopatia / Distúrbios femininos.

Jornal 3

Em sua edição de 20 de  nov. de 2004 o jornal O Liberal, de Belém do Pará, trouxe a seguinte reportagem:

Homeopatia em doenças tipicamente femininas.

A seguir partes da reportagem  que pode ser conferida na íntegra.

“Cerca de 17 milhões de brasileiros recorrem a esse tipo de tratamento. Em Belém, a maioria é de mulheres na faixa etária entre 25 e 40 anos. Especialmente, para tratar dos incômodos da TPM e menopausa.

Em Belém, os pacientes que mais procuram a homeopatia são mulheres de 25 a 40 anos que pretendem aliviar o incômodo da Tensão Pré-menstrual (TPM) e da menopausa. As vantagens atribuídas ao tratamento homeopático passam pelo preço mais barato dos medicamentos e a ausência de efeitos colaterais.
…A menopausa é também um dos principais fatores que levam as mulheres até o consultório homeopático. Os especialistas em homeopatia dizem que o climatério ou menopausa não pode ser tratado como doença, deve ser encarado como uma fase natural de crescimento da mulher. É nessa fase que a mulher sofre alterações físicas provindas do anabolismo, o nível de estrógeno produzido pelos ovários é diminuído, gerando um “conflito” nas funções dos organismo, o que possibilita, entre outros, ganho de peso. Além de mudanças na estética feminina, a menopausa causa modificações mentais, a mulher passa a ter irritações e stress constantes… Para o tratamento da menopausa, os homeopatas utilizam algumas substâncias que aliviam e curam o mal-estar das pacientes…”

Uma alternativa bastante adequada para uma condição feminina desconfortável/sofrida determinada pela sábia evolução das espécies e portanto natural. Mas sempre me intrigou a dualidade dos ‘discursos’,  a que estão sujeitas as mulheres, à respeito dessas questões; mulheres/meninas crescem ouvindo que menstruar é horrível e mulheres/moças amadurecem ouvindo que parar de menstruar  também é.

Não é incongruente?